Tratamento (controle) das DTMs

 

Em face das evidências científicas atuais, e as recomendações da Academia Europeia de Desordens Craniomandibulares (EACD), publicadas na principal revista da área de Dor Orofacial (Journal of Orofacial Pain), tratamentos conservadores, não invasivos, de baixo custo e morbidade (agressão à saúde e integridade física do paciente) devem ser priorizados. Assim, hoje evita-se ao máximo desgastes dentários e quaisquer alterações na oclusão para essa finalidade. Também há pouquíssima indicação para o uso de medicamentos e menos ainda cirurgias. A seguir listo o que utilizo e preconizo nos cursos que participo.

​Tratamento Cognitivo Comportamental
 

Detecção dos fatores de responsabilidade do próprio paciente que induzam ou perpetuem a condição (DTM), e a partir da orientação correta e a "adesão" do paciente à terapia, dão a este a possibilidade de participar ativamente no processo de controle da doença. Explicar o que seriam (e quais seriam) os hábitos parafuncionais, provavelmente responsáveis pelo aparecimento ou perpetuação da condição.

Terapias Manuais Intramusculares, Termoterapia e aplicação de corrente TENS


Desativação de pontos gatilho miofasciais com agulhamento seco (técnica que utiliza agulhas de acupuntura), aparelho de microcorrente para estimulação pontual (TENS pontual, MPS ou PENS), manipulação de áreas de dolorimento e  musculatura debilitada,  redução quando necessário do deslocamento do disco articular, através de manobras conservadoras. Para analgesia e drenagem  de substâncias causadoras de dor (algógenos) presentes na região afetada, utilização de termoterapia, crioterapia e aplicação da corrente TENS.

Orientação ao paciente para controle da DTM no cotidiano com terapias físicas auto administráveis

 

São ensinadas ao paciente manobras extremamente simples, que este mesmo deve realizar diariamente. Essencial para o sucesso da terapia, têm extensa comprovação de sua eficácia na literatura especializada.

Placa Interoclusal de Michigan
 

Prescrição e confecção de placas interoclusais, apenas quando necessário, não banalizando sua utilização, nem também superestimando seus efeitos. Placas apenas para uso durante o sono, nunca confeccionadas com material macio e com indicação seguindo  o modelo preconizado pela Universidade de Michigan (a com maior número de estudos publicados e evidência científica consolidada).

 

  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • c-facebook